Utilização da farinha na agricultura biológica. Hoje vamos falar-vos um pouco sobre as nossas farinhas, que são feitas 100% a partir de matérias-primas. Por conseguinte, são produtos totalmente ecológicos e orgânicos, adequados para utilização na Agricultura Biológica.

Na Cultivers dispomos de 5 tipos de farinha, cada uma com propriedades e benefícios diferentes, mas todas com o objetivo de melhorar o nosso solo e as nossas culturas. Aqui vamos mostrar-lhe as nossas farinhas, as suas utilizações e propriedades de uma forma simples e que certamente o ajudará a decidir se quer dar o salto e começar a utilizar as nossas farinhas na sua horta, canteiro, vaso …

A utilização da farinha na agricultura biológica está a generalizar-se cada vez mais na Europa e, graças à Cultivers, começa a ser utilizada em Espanha.

Farinha de peixe

Trata-se de um fertilizante orgânico com um elevado teor de azoto e fósforo. Ativador do crescimento equilibrado das culturas. A sua aplicação proporciona um fornecimento rápido e equilibrado de azoto mais fósforo, que promove e estimula os processos fisiológicos das plantas. Nas plantas, a maior parte do azoto está localizada em compostos de elevado peso molecular (proteínas e ácidos nucleicos). É geralmente o macro-elemento que mais frequentemente limita a produção das culturas.

A deficiência de azoto resulta em clorose das folhas mais velhas, com uma diminuição da área de biomassa. Os seus nutrientes são libertados gradualmente, cobrindo as necessidades da cultura durante o seu desenvolvimento. A sua aplicação aumenta a taxa fotossintética e assegura o fornecimento de azoto e fósforo nos momentos críticos do crescimento vegetativo. A sua origem e processo de fabrico fazem com que os seus componentes não sejam arrastados pela água da chuva ou por regas prolongadas, evitando assim a perda de material nutritivo e a contaminação das águas subterrâneas.

farinha de peixe

Farinha de pedra de basalto

O basalto é uma rocha ígnea de origem vulcânica rica em sílica, cálcio, magnésio e ferro, para utilização na agricultura convencional e biológica. As aplicações periódicas em solos pobres melhoram a capacidade de troca catiónica e a retenção de nutrientes.

Em condições de precipitação intensa e lixiviação, os nutrientes podem ser libertados a uma taxa que lhes permita permanecer no solo e ser utilizados pelas plantas.

farinha de rocha

Farinha de rocha fosfática

O fósforo nas plantas é o principal elemento responsável pela melhoria da estrutura das plantas, assegurando uma floração correcta e vigorosa, melhorando a qualidade das sementes e dos frutos e estimulando a formação de raízes. O sistema radicular da planta é responsável pela exploração do solo e pela absorção de água e nutrientes minerais. Uma raiz abundante é uma das formas mais directas e económicas de aumentar a eficiência da absorção de nutrientes.

A relação entre um bom sistema radicular e a formação adequada de tecidos vasculares é direta e, em conjunto, estabelecem uma das bases mais importantes para a obtenção de um maior potencial produtivo. O fósforo é um nutriente essencial para as plantas e a sua carência limita severamente o rendimento das culturas agrícolas. São necessárias quantidades substanciais de fósforo para o crescimento ótimo das plantas e o desenvolvimento dos frutos.

fosfórico-rochoso

Farinha de ossos

O sistema radicular da planta é responsável pela exploração do solo e pela absorção de água e nutrientes minerais; uma raiz abundante é uma das formas mais directas e económicas de aumentar a eficiência da absorção de nutrientes, reduzindo assim a entrada extra de NPK. Além disso, é na raiz que se sintetiza a maior parte das hormonas responsáveis pela regulação do metabolismo da planta em processos importantes como a divisão celular, o engrossamento e o alongamento das células, a frutificação e o crescimento dos frutos, etc.

O cálcio está envolvido nas reacções de resistência e de adaptação das plantas e é um dos componentes mais importantes da parede celular, o que a torna permeável. Além disso, melhora a qualidade, a consistência e a vida pós-colheita dos frutos. Adubo natural ideal para a plantação de árvores e arbustos. Favorece o enraizamento e estimula a floração e a frutificação.

farinha-fósforo

Farinha de sangue

Nas plantas, a maior parte do azoto está localizada em compostos de elevado peso molecular (proteínas e ácidos nucleicos). É geralmente o macro-elemento que mais frequentemente limita a produção das culturas. A deficiência de azoto resulta em clorose das folhas mais velhas, com uma diminuição da área de biomassa. Trata-se de um fertilizante orgânico com elevado teor de azoto, obtido a partir de farinha de sangue.

A sua aplicação aumenta a taxa fotossintética e assegura o fornecimento de azoto nos momentos críticos do crescimento vegetativo. A sua origem e o seu processo de fabrico fazem com que os seus princípios não sejam arrastados pela água da chuva ou por riscos prolongados, evitando assim a perda de matéria nutritiva e a contaminação das águas subterrâneas. A forma mais comum de incorporação é por aplicação direta no solo, sendo aconselhável enterrar o produto no solo.

BOLSA.1KG harina sangre scaled

Como utilizo as farinhas na agricultura biológica

A forma mais comum de utilizar as farinhas é muito simples. Tudo o que temos de fazer é espalhar a quantidade recomendada de farinha no solo, dependendo do tipo de farinha, e mexer com um ancinho. Desta forma, conseguimos uma incorporação efectiva no solo. Depois de espalhar e mexer, teremos que regar, com isto ajudamos a nossa farinha a integrar-se e a libertar-se na terra, no vaso ou no canteiro onde a colocámos.

Como já viu, é muito simples utilizar a farinha na agricultura biológica e os seus benefícios são enormes, tanto na agricultura como nas plantas de interior, cactos e bonsais. Recomendamo-las para todos os tipos de plantas de interior e de exterior.

Agora só tem de visitar a nossa loja e começar a provar estas matérias-primas.